André Sá anuncia a aposentadoria do tênis

André Sá anuncia a aposentadoria do tênis

Aos 40 anos de idade, 22 de carreira, André Sá (Centrium Ecosolys/Elemidia/BAIC/Ferraz Cicarelli Passold/ Wilson/ Fila), um dos ícones do tênis no Brasil e fora do país, anunciou nesta sexta-feira sua aposentadoria das quadras.

Nascido em Belo Horizonte (MG) e radicado em Blumenau desde 2003, André disputará na próxima semana o ATP 250 de Quito, no Equador, e receberá homenagens em suas duas últimas competições da carreira, ambas no Brasil no Rio Open, ATP 500 jogado no Rio de Janeiro, a partir de 19 de fevereiro, e o Brasil Open, em São Paulo, a partir do dia 26 e onde defende título conquistado no ano passado.

Sá jogará as três competições finais da carreira ao lado de Thomaz Bellucci com o qual segue e seguirá como treinador para o restante da temporada 2018.

“Tomei a decisão no começo de Janeiro. Por varias razões, mas essa oportunidade com o Bellucci ajudou. Foi bem dificil essa decisão, levou alguns meses, somente depois do US Open que realmente comecei a pensar em parar. Sentia que era a hora certa de parar”, disse Sá que como duplista conquistou onze títulos em 30 finais e alcançou, em 2009, o 17º lugar do ranking. Ele fez semifinal em Wimbledon ao lado do atual líder do ranking na categoria, Marcelo Melo em campanha onde os dois venceram o jogo de maior número de games e duração das duplas no evento com 28/26 no quinto set contra o australiano Paul Hanley e o zimbabuano Kevin Ullyett, e ainda alcançou as quartas de final do US Open em 2016 e 2007.

“Só espero uma última boa apresentação em casa junto da minha familia nesses torneios, e querendo ganhar também, sem dúvida serão semanas diferentes e emocionantes para mim”, seguiu.

Considerado o mentor da geração atual de sucesso de duplas com Marcelo Melo, Bruno Soares e Marcelo Demoliner, Sá é o brasileiro com maior participação em Jogos Olímpicos com quatro disputadas – 2004 em Atenas, 2008 em Pequim, 2012 em Londres e Rio de Janeiro em 2016 – e na Rio-2016 derrotou a dupla de Andy Murray com Jamie Murray, entre os primeiros na época nos ranking de simples e duplas. As duas últimas Olimpíadas atuou com o atual pupilo, Bellucci.

Foi ainda Medalhista de Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg, no Canadá, em 1999. Teve mais de 100 parceiros na carreira e disputou 18 confrontos de Copa Davis ao tanto nas simples como nas duplas ao lado de nomes como Gustavo Kuerten. Somou em toda a carreira de duplas 290 vitórias e 304 derrotas.

Em simples, André teve uma carreira também de sucesso. Fez quartas de final em Wimbledon em 2002, aintgindo o 55º lugar no ranking em agosto daquele ano. Esteve por quatro temporadas entre os 100 melhores do mundo e jogou contra quatro das melhores gerações do tênis como Pete Sampras/Andre Agassi. Guga/Marat Safin/Lleyton Hewitt Roger Federer/Rafael Nadal, Novak Djokovic/Andy Murray.

Por seus resultados em Wimbledon em simples e duplas, André é um dos poucos brasileiros que tem passe livre no torneio mais tradicional do tênis,o chamado Final 8 Club onde é convidado do torneio e pode levar um acompanhante para o restante da vida. O torneio e o clube são os mais restritos e seletos do mundo do tênis.

“Avalio minha carreira como de successo longevidade nunca e facil, não é ? Depende de muita de disciplina e comprometimento. Pontos altos foram Wimbledon, Medalha de Ouro no Pan 99, representar o Brasil na Copa Davis e o tanto de amizades que fiz nesses 22 anos de carreira. Ficou faltando mesmo um titulo de Grand Slam, esse era o objetivo principalmente quando comecei a jogar duplas”, disse André.

O tenista sempre foi muito ativo nos bastidores tendo participado por três vezes do Conselho de Jogadores totalizando seis anos, dois deles com Roger Federer como presidente.

“Tênis representa tudo, uma paixão que me deu caminho para varias realizações, conheci minha esposa, o mundo e principalmente eu mesmo. Eu amo tênis e nunca vou parar de jogar, estou parando de competir, mas parar de jogar so quando bater as botas (risos)”.

O futuro de André será no tênis. Ele seguirá acompanhando Thomaz Bellucci como treinador. Sá cursa Administração pela Estácio e desde 2017 dá palestras sobre o tênis e como o tênis tem relação com o mundo coorporativo. Sá também trabalhará como sócio da empresa Linkinfirm comandada por Márcio Torres que cuida da carreira de tenistas brasileiros e também nomes como os irmãos Bob e Mike Bryan: “Pretendo seguir como tecnico sim, mas também tenhos outros projetos encaminhados, eu gosto muito de tênis e ficar no Circuito Profissional.”

Sá acompanha Bellucci nos Estados Unidos e os dois embarcam para Quito, no Equador, nesta sexta-feira, dia 1º, depois seguem para Buenos Aires, na Argentina, onde Thomaz disputa o qualificatório e parem para os torneios do Rio e São Paulo.

Confira os 11 títulos de duplas de André Sá:

2017 1 São Paulo (com Rogerio Dutra Silva no saibro)
2015 3 Umag ( com Maximo Gonzalez no saibro)
Nottingham (com Chris Guccione na grama)
Buenos Aires (com Jarkko Nieminen no saibro)
2011 1 Metz (com Jamie Murray no duro coberto)
2009 1 Kitzbühel (com Marcelo Melo no saibro)
2008 3 New Haven (com Marcelo Melo no duro)
Poertschach (com Marcelo Melo no saibro)
Costa do Sauípe  (com Marcelo Melo no saibro)
2007 1 Estoril (com Marcelo Melo no saibro)
2001 1 Hong Kong (com Karsten Braasch no duro)
Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *